Páginas

10/07/2012

Keep calm and saiam de suas bolhas


Se há um consenso em relação ao mundo dos designers é que estes  são os profissionais mais facilmente identificáveis. Eles usam camisas xadrez, deixam a barba a crescer; elas, gostam de cultivar algumas características anos 50, com caras e bocas dignas de uma capa da TPM. 
E claro, jamais abririam mão de um bom filtro do Instagram para mostrar seu mais novo óculos setentista. Ok, brincadeiras, exageros e generalizações à parte. Porém, há outras características tipicamente designísticas bem menos divertidas.
E é sobre elas que comentarei neste post.

27/05/2012

O que escolhemos ser quando crescemos?

Cá estou em mais um dos períodos mais filosóficos de minha vida: o desemprego (rs). Hora de organizar as ideias, planejar novas ações. E por que não, lembrar de velhos sonhos. Foi pensando em tudo isto que me recordei da clássica pergunta "O que você vai ser quando crescer?", o que me levou a duas reflexões: por que perguntamos "o que você vai ser" quando, na verdade, o objetivo é saber qual profissão tal pessoa pretende seguir? E por que temos o hábito de não considerar o "EU", como resposta?

31/01/2012

Um parágrafo paralisante


Esta semana tenho acelerado minhas leituras para aproveitar ao máximo meus últimos dias de férias.(Sim, enquanto não tiver coragem para pular de pára-quedas, "aproveitar o tempo" está intimamente ligado a passar o tempo lendo MUITO).

E foi mergulhando nos meus livrinhos e palestras do TED, que encontrei três passagens realmente inspiradoras. Logo pensei "Uou, isso daria um bom post!". Comecei a escrever loucamente e de repente me deparei com um post gigante (rs). Conclusão: escolhi uma citação e exclui meus comentários. Ha!

17/01/2012

Já abriu a geladeira hoje?


Não é raro encontrarmos amigos ou conhecidos, comentando sobre um estranho sentimento que une uma grande ansiedade e necessidade de mudanças, a uma certa insatisfação com o presente, e a sensação de que deve fazer algo, mas não sabe o quê. Menos raro, é encontrar alguém que não se culpe por estar com tantos questionamentos. Seria mesmo estranho?

27/09/2011

Vivendo e empreendendo

Sim, eis que retorno para o mundo bloguístico!
Foram cinco meses de ausência, cinco meses de muito trabalho e muitas reflexões.
Uma delas, como comentado no último post, sobre que rumo tomaria este singelo blog.
Seria um blog de design ou de auto-ajuda (ainda que “auto-ajuda”  soe depressivo demais para mim...rs, na falta de um termo melhor, seguirei mesmo com este).

***

É interessante como não consigo dissociar estes temas, pois é justamente tentando aprofundar meus conhecimentos designísticos, que vejo que entrei em um dos meus maiores desafios até o momento. Uma daquelas fases em que você sente que suas crenças estão sendo colocadas à prova.

Um dos meus sonhos é ter o próprio negócio, algo que muitas outras pessoas sonham. E assim como muitas dessas pessoas, eu até acho que levo jeito pra coisa. A questão é que, por enquanto, este negócio é algo distante. E é aí que começa a bagaça toda:

Seria o fato de ter o próprio negócio a única forma de ser empreendedor?
É sobre esta e outras reflexões sobre o empreender, que falarei neste post.

; )

20/05/2011

Parênteses

Opa, pequena pausa para pensar.

No último post deixei uma "promessa" no ar: a de que contaria o que acontece com alguém que cisma em trabalhar com o que gosta. Sim, tem muita história pra contar...rs. Mas antes de compartilhar estas experiências, estive pensando: " Será que meu blog não vai ficar com cara de auto-ajuda demais?" rs...

Bom, como havia dito, este blog tem a função de registrar aprendizados de todos os tipos. Mas confesso que, neste momento, estou querendo investir em coisinhas mais designísticas. Então, só por desencargo de consciência, vim aqui avisá-los de que me ausentarei só mais um pouquinho, pra ter um tempo pra escolher bem os temas, criar um conteúdo bem legal e voltar cheia de novidades.

E claro, não vou deixar de contar o que prometi. Só decidi passar para outro momento, certo?

04/05/2011

Porque não devemos sobreviver ao trabalho

Estamos “condenados” ao trabalho ao menos 8 horas de nossos dias, 5 dias da semana, todos os meses do ano por, no mínimo, uns 50 anos. Vale a pena esperar para ser feliz apenas no quinto dia útil do mês?

Acho interessante como as pessoas que buscam a felicidade são as mesmas que limitam seus momentos de auto-realização aos fins de semana, feriados prolongados ou, pior, somente a partir da aposentadoria. Não, não sou contra a todas essas datas. Só acho um desperdício. E em tempos de sustentabilidade, o que pode ser mais insustentável do que negligenciar as próprias vontades da alma, essa coisa que está aí dentro de você?

03/05/2011

Aventuras no atendimento III

Continuando com a sequência de posts sobre o atendimento em escritórios de design, hoje finalizaremos com algumas lições sobre como lidar com a equipe de trabalho.

Vamos lá?

25/04/2011

Aventuras no atendimento II

Olá!
Conforme combinamos, aqui estão algumas das lições que aprendi nos primeiros seis meses em que trabalhei no atendimento de um escritório de design. São pequenos tópicos que fui anotando conforme os acontecimentos do dia-a-dia. Aliás, esta ideia de anotar os puxões de orelha funciona muito bem...Quem diria que todas aquelas anotações virariam um post, hein?

Então vamos lá:

16/04/2011

Aventuras no atendimento

Você já se perguntou sobre de onde vem o sonho de atuar em certas profissões?
Por exemplo, o que aconteceu para que alguém um dia acordasse e dissesse "Hum..é isso! Quando crescer, serei um atleta do salto com vara!". Já refletiu sobre as motivações que levaram uma pessoa a ser ginecologista? rs...

Pois é, dentro do design, já tive reflexões deste tipo. Você conhece alguém que sonha em trabalhar no atendimento de uma agência?